FLUR 2001 > 2022



Play Off

Vasco Mendonça, Drumming GP

Holuzam

Regular price €12,00

Tax included.

LISTEN:
CLIP1 - CLIP2 - CLIP3 - CLIP4 - CLIP5


Um desafio é um desafio é um desafio. A mensagem começa no título, “Play Off”. O compositor Vasco Mendonça (n.1977) indicia que a proposta feita aos Drumming GP, para interpretar composições suas, consolida-se enquanto desafio ao invés de sugestão, convite. A operação desenvolve-se ao longo do álbum, das quatro composições que Mendonça escreveu: “Play Off”, “American Settings”, Three Memos” e “Aphasia”. O desafio resolve-se a si mesmo no final – “Aphasia” – e realça o poder de uma história em três actos. A narrativa prevalece. Vasco Mendonça quer um ouvinte activo. As quatro partes de “Play Off”, a peça, sugerem um jogo jogado em jeito de coreografia contínua. Passa pela criação de familiaridade com o som dos Drumming GP – quer se conheça ou não, funciona de igual modo -, no fundo, de acomodar uma série de princípios que serão executados de maneiras diferentes ou fragmentados nas restantes composições. Se o álbum se inicia com uma espécie de tempestade, “American Settings” anuncia paisagem, a contemporaneidade norte-americana recriada através das palavras dos poetas norte-americanos Terrance Hayes e Tracy K. Smith, interpretadas por Stephen Diaz. A primeira metade do álbum alude a um excesso – propositado. O desafio mais levado à letra, isto é, enquanto percepção física – sonora – para o ouvinte. Em “Three Memos” o cenário muda para uma reflexão sobre os recursos dos músicos e como pensá-los: a ideia de escassez presente, como forma de libertação por oposição à limitação. Acontece uma mudança de narrativa – controlada por Vasco Mendonça, mais uma alusão à permanente ideia de desafio – e os intervalos, os silêncios, desenvolvem uma noção de ritmo e intensidade inexistentes até então. A experiência do som, da criação, acomoda “Aphasia”, o mais ambicioso dos quatro desafios. Próxima da electrónica quebrada dos 1990s, “Aphasia” constrói uma narrativa própria dentro da de “Play Off”, e separa-se da ideia de “música contemporânea” para conjugar linguagens próximas do universo da música popular. Peça transformadora e que se transforma dentro de uma particular alucinação.