FLUR: 2001 > 2021



Egyptian Jazz

Salah Ragab & The Cairo Jazz Band

Strut

Regular price €25,50

Tax included.
Record Store Day 2021

LISTEN:
CLIP1 - CLIP2 - CLIP3 - CLIP4 - CLIP5


Há pouco mais de uma década, a Kindred Spirits / Art Yard, no meio de algumas edições de Sun Ra, colocou um álbum no mercado que era um mistério. Andávamos contagiados com o concerto de Sun Ra no Egipto e as ligações de Salah Ragab à passagem de Sun Ra pelo seu país atiçaram a curiosidade. Depois veio a redenção, sobretudo depois de ouvir a brilhante “Neveen”, um dos seis temas da edição original de “Egyptian Jazz”, de Salah Ragab & Cairo Jazz Band. Essa edição entretanto esgotou e a Strut volta a colocar “Egyptian Jazz” no mercado numa espécie de edição final, no primeiro Record Store Day de 2021, do álbum da primeira big band de jazz egípcia. Curiosidades. Datado de 1973, a ideia para o projecto começou cerca de seis anos antes. Impulsionados pelas bandas de jazz que iam tocar ao Egipto na década de1960/1970 (desde Randy Weston a Sun Ra), a Cairo Jazz Band nasce pelas mãos de Salah Ragab, baterista, mas também um major das forças armadas que tinha à sua disposição mais de três mil músicos que tocavam no exército: ou seja, um intenso e moroso trabalho de prospecção. Inicialmente editado com o título “Egyptian Jazz” (mais tarde como “Egypt Strut”), é o álbum fundador do jazz no Egipto, sólido na sua arte de juntar modelos clássicos do jazz e do jazz modal a tons da música árabe, sem se prender demasiado a ideias ou fundamentos. Todos os temas de “Egyptian Jazz” soam diferente. O disco extra que acompanha o original – só com seis temas – desta edição oferece uma leitura mais vasta sobre toda a experiência. Os oito tema extra, gravados nas mesmas sessões, expõem a versatilidade e descomprometimento dos músicos a um som. Testam diferentes águas, abordam sonoridades mais cinematográficas e aproximam-se de estruturas mais clássicas. É um extra que ajuda a interiorizar a complexidade de “Egyptian Jazz” e ouvi-lo como uma experiência que deu bons frutos. Ao contrário da edição da Kindred Spirits, esta respeita o artwork original, e faz-se acompanhar de fotos e de boas liner notes.