WEBSTORE in progress // 2700+ titles in stock. From their minds to ours. "From our minds to yours."



Roçadas EP

Moreno Ácido + Diogo

Holuzam

Regular price €9,95

Tax included.

LISTEN:
CLIP1 - CLIP2 - CLIP3 - CLIP4


Diogo (Guimarães, 1988) é DJ desde 2011, intensifica a actividade com a mudança para Lisboa em 2016, onde passa a integrar o núcleo da editora Extended, funda e dirige a revista PISTA! e começa a produzir música. Em 2017, com o Mário (Lisboa, 1982), promove no EKA a série de festas Aurora, onde tocam juntos e percebem a raiz da sua futura produção. Mário já produzia desde o final dos 90s, em grupo e a solo, DJ desde 2007, ficou Moreno Ácido em 2016, o ano que parece fixar todas as bases para o presente EP.
Na Avenida General Roçadas (Lisboa) testam batidas, samples, ideias. "Percebemos que nos entendíamos bem e resolvemos tentar fazer um EP". A faixa-título, "Roçadas", sai formada num dia, a partir de samples de funk brasileiro e uma linha ácida, mas é um tom digidub que dá a partida para a construção. No topo, fica a ideia de uma utopia trabalhada a partir de uma essência rave, assinalada pela ambiência de cordas que desloca temporariamente o ênfase da emoção para o futuro.
"No mesmo dia alinhávamos a Be Quicka Or Be Dread": linha de baixo, cuíca e apito apareceram tão espontâneos que a faixa ficou logo garantida e reservada - foi a última a ser efectivamente terminada. Marcha bem mecânica quase todo o tempo, camadas de percussão, baixo assertivo sempre na sua própria pista, deixando rolar as várias matérias do groove. No fim, a dissolução gradual.
"Verde Grama" nasce como versão da K&T Mix de ”This is Acid (A New Dance Craze)" (Maurice), mas o motivo principal de sopros / metais vai alterando o seu tom e o tipo de corte para contar outra história, baseada sim nos blocos originais, bem sucedida na captura do seu espírito, mas operando claramente a partir de uma nova geração de componentes e respectiva interpretação contemporânea. 2019, gente.
No Minilogue da Korg assentam boa parte da estrutura de "Coisa Leve", equilibrada entre a vocação sonhadora, trance-y, do crescendo inicial e a batida quebrada que coloca a faixa facilmente num set mais robótico. Um ponto de "E2-E4" (Manuel Göttsching) aparece e desaparece, fica o rasto ténue de house italiana em 1989 e um minuto de saída faseada que dá a dica para a saída do clube.