FLUR 2001 > 2023



Conduit

Coby Sey

AD93

Regular price €22,00

Tax included.

OUVIR / LISTEN:
CLIP1 - CLIP2 - CLIP3 - CLIP4 - CLIP5


À volta de Mica Levi transita um significativo número de músicos que desafiam certas linhagens de géneros populares por vias marginais. Aconteceu assim com Tirzah - sobretudo em "Devotion" -, com Tone - já este ano - e agora com Coby Sey. Coby Sey é um nome regular - aliás, colabora nos álbuns dos artistas atrás mencionados, além de fazer parte do colectivo CURL - e um que demorou a descolar a solo. Já teve outros lançamentos - como um 10" na Whities, de 2017 - mas uma certa obsessão pelo som - SOM - certo demorou-o a chegar aqui, a este "Conduit", um registo de pandemia, que poderia muito bem ser o disco de pandemia de Dean Blunt quando acabou com os "Hype Williams", se a pandemia tivesse acontecido uma década antes. A estreia de Coby Sey tem um sabor geracional, isto é, é fruto de uma geração que já percebeu que a sua marca será sempre às margens e nunca atingirá o estatuto que outros conseguiram noutras décadas quando tentaram o novo com tanto arrojo. Exercício fácil é pensar nesta música e imaginar o poder que teria se momentos Massive Attack / Tricky / Bristol / Trip Hop ainda pudessem acontecer com as mesmas máquinas de marketing, crença e vontade de uma massa de se "marginalizar". Por isso, produzem música arriscada, que existirá no nicho enquanto o ocaso o quiser. E, nesse nicho, encaixam ideias de urgência e de explorações sonoras que demoraram mais tempo do que o desejado a chegar à cultura de massas: vivemos mais rapidamente, mas este tipo de saltos demoram mais tempo a serem absorvidos pela realidade. Por perceber isto tudo, "Conduit" é inquietante, verdadeiramente inquietante. Um álbum que comunica com uma liberdade jazz - os dez minutos de "Response" ouvem-se em permanente ebulição - através de uma linguagem de beats que já esqueceram o apocalipse urbano - o de Burial ou o que se quiser - para ter os pés no presentes e aceitar o caos do momento. Voltando a Tricky, "Conduit" é como ouvir Tricky pela primeira vez, há três décadas. Assim tão importante, mas em ritmo de segredo.