ENVIO GRÁTIS PARA TODO O TERRITÓRIO NACIONAL EM COMPRAS DE VALOR SUPERIOR A 20 EUROS



Belomancie

Sun Araw

Sun Ark

Sale price €8,00 Regular price €12,95

Tax included.

LISTEN:
CLIP1 - CLIP2 - CLIP3 - CLIP4 - CLIP5


Há duas coisas que se mantêm familiares neste “Belomancie” de Sun Araw: a voz de Stallones que continua um ponto referencial quando está presente e a sua guitarra, que frequentemente serve de ponto para um passado de Sun Araw que hoje parece longínquo. Pode-se dizer que aqui bebe um pouco da sua experiência com os Congos, contudo, essa evidência é mais uma continuação do evolução de Stallones do que propriamente uma influência. Apetece-nos dizer que “Belomancie” é o “Brown Rice” (Don Cherry) de Sun Araw, um híbrido labiríntico de géneros em que não renega o passado mas aponta claramente para outras direcções. Talvez a mais importante e notória seja a sensação de uma fusão de jazz com electrónica ambiental, que permite enquadrar esta música noutro tempo em que Herbie Hancock jogava com tudo o que tinha à mão ou os Can desfrutavam do talento de poderem fazer o que bem entendessem (e quase sempre bem). À partida, se não fossem aqueles dois elementos que referimos inicialmente, este disco, não seria, num teste às cegas, um disco de Sun Araw. E isso é manifestamente intrigante, principalmente vindo de um músico que correu sempre riscos sem sair da sua área de segurança. “Belomancie” sai claramente desse local, não tem medo de arriscar, e isso resulta tremendamente bem. Aos poucos interiorizamos a ideia de que não é um disco tradicional de Sun Araw mas um grande disco de electrónica, arrojado, sem medo de experimentar, e com uma oferta de novos sons completamente distantes daquilo que reina actualmente. Se antes nos agradava o conforto do dub psicadélico muito próprio de Stallones, aqui ficamos surpreendidos com os horizontes que abre com este som. E, assim do nada, temos um grande disco de electrónica. Coerente e coeso, com momentos que parecem pairar num nada, mas que aos poucos nos vão conquistando. E sermos conquistados desta forma é magistral.