WEBSTORE in progress // 2700+ titles in stock. From their minds to ours. "From our minds to yours."



Cavala

Maria Beraldo

Lovers & Lollypops

Regular price €19,95

Tax included.

A capacidade de provocar, chamar a atenção e transformar em menos de dois minutos revelam talentos necessários num tempo de constante explosão. “Cavala”, o disco de estreia de Maria Beraldo, morre e renasce por diversas vezes ao longo das suas dez canções. Tudo concentrado em 24 minutos. As suas transformações instantâneas e repentinas reflectem a urgência da mensagem de Maria Beraldo e da vontade de se afirmar e não ter medo de se assumir como uma mulher lésbica universo cancioneiro brasileiro da actualidade. E para a posterioridade. “Cavala” rasga com tudo, até com o passado de Maria Beraldo. Outrora tocou clarinete e clarinete baixo na banda de Arrigo Barnabé, fez parte dos Quartabê e dos Bolerinho, colaborou com gente como Elza Soares, Negro Leo, Iara Rennó e Rodrigo Campos. Detalhes para ilustrar a nova vida que encontra em “Cavala”, carregada da ambição de se mostrar como compositora e arquitecta de fábulas pop que sejam armas que adociquem ouvidos e transformem mentes. Maria Beraldo impõe esse carácter transformativo. Todas as suas canções, até a interpretação que faz de “Eu Te Amor”, de Chico Buarque – a única canção de “Cavala” que não é da sua autoria -, vêm carregadas de identidade e da necessidade de contar uma história que explique a urgência em se repensar a heteronormatividade da sociedade. “Cavala” fala de si, fala de uma compositora que impõe anos de estudos e conhecimento em instrumentais pujantes e histórias ricas onde medo, ternura e emancipação convivem. A si juntaram-se outros músicos, amigos, paulistas, como Tim Bernardes, Tó Brandileone e Mariá Portugal. Fazem-se ouvir, adornando o esqueleto das composições minimalistas de Maria Beraldo, na maior parte compostas apenas com três elementos. Ao longo de “Cavala”, seja no começo fulminante com “Tenso”, a falsa-lullaby “Maria” ou a esquizofrénico-onomatopeia que é “Sussussussu”, existe o desejo de reduzir a forma da mensagem ao essencial: cru, veloz, urgente. Mirabolantes construções pop com uma mensagem identitária e um abastado talento em virar o complexo para um discurso directo, conciso e palpável. Quem disse que os gritos não poderiam ser doces?