ENVIO GRÁTIS PARA TODO O TERRITÓRIO NACIONAL EM COMPRAS DE VALOR SUPERIOR A 20 EUROS



Miscontinuum Album

Jan St. Werner

Thrill Jockey

Regular price €12,50

Tax included.

LISTEN:
CLIP1 - CLIP2 - CLIP3 - CLIP4 - CLIP5


Só muito recentemente é que Jan St. Werner começou a assumir o seu nome nos discos, acompanhando o seu projecto paralelo Lithops que nasceu em 1998 na Moikai de Jim O’Rourke. Nem um, nem outro, chegam, contudo, aos calcanhares da notoriedade de Mouse On Mars, com Andy Toma, mas isso não quer dizer absolutamente nada. Este novo álbum a solo não é bem um álbum, nem é bem a solo. Esta ópera electrónica (e peça radiofónica) – não vão embora já, por favor – é feita para fechar a série “Fiepblatter” e esmaga os seus anteriores capítulos. Sobre o tempo e memória, e a sua percepção e manipulação, St. Werner intromete-se na nossa cabeça durante quase uma hora e meia de uma torrente fantástica de sons e colisões, ganhando uma espécie de terceira dimensão com três colaboradores que fazem e marcam a diferença: Markus Popp continua a ser um dos arquitectos da música electrónica mais eloquentes destas décadas, deixando um rasto de sons em labirintos que só podem ter a sua mão. E as vozes da “ópera”: Kathy Alberici e Taigen Kawabe, este dos Bo Ningen, são os fantasmas terrenos que nos constroem o corpo orgânico de “Miscontinnum”. Dos vários andamentos, o óbvio destaque vai para “Cervo”, “Schwazade” e “Amazonas”, onde está praticamente uma hora desta obra, e onde sentimos o total arrebatamento por estas vagas esmagadoras de som, deixando-nos perdidos no tempo. Há muito que não ouvíamos algo assim tão detalhado mas imponente, tão belo mas rude, tão forte mas delicado. Um disco essencial para quem acha que isto pode ser importante para si. Fantástico.