Sexta-feira, 29 Abril, 2016

DJ MARFOX Chapa Quente 12″

€ 10,95 12″ Príncipe

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Que longo caminho desde “Eu Sei Quem Sou” no final de 2011. Mas Marfox sabe ainda perfeitamente quem é, em 2016, talvez ainda melhor. A idade traz conhecimento, primor, as viagens mais perspectiva, a personalidade reforça-se e as influências do seu próprio percurso (que mesmo antes da Príncipe já era bem respeitável) e ambiente tornam-se assumidas de forma cada vez mais natural. Ouvimos um Marfox mais global sem que isso signifique um encosto ao meio da rua “global” que alimenta muitas pistas de dança. “Tarraxo Everyday” enterra a ideia de zouk bass num brilho de kizomba futurista saído de uma mente congelada nos início dos 90s. Lindo. O resto anda pelo bairro todo a absorver melodias e vibrações das comunidades com quem Marfox conviveu, juntando um vislumbre do futuro (melhor: do presente) que ele inventa enquanto anda. No entanto, há toneladas de trabalho e dedicação nessa invenção aparentemente leve. Em loop, ele sabe quem é e dedica tempo a isso.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quinta-feira, 21 Abril, 2016

MAJA S. K. RATKJE Crepuscular Hour CD+DVD / 2LP+CD+DVD

€ 15,50 CD+DVD Rune Grammofon

€ 24,95 2LP (+CD +DVD) Rune Grammofon

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Três coros, três pares de músicos de noise e um orgão de igreja. Totalmente aparição do monólito em “2001″ e um supremo e intenso momento de êxtase religioso, para quem tem capacidade de sentir. No mínimo, arrebatamento espiritual de força maior, assustador como tem de ser antes de a luz, supostamente, oferecer saída de esperança. “Crepuscular Hour” navega como um galeão cheio de almas perdidas, provocando em iguais partes fascínio pelo horror e repulsa pela intensidade que perturba o espírito. Kathy Hinde realizou e filmou o conceito, que se pode ver no DVD que acompanha ambos os formatos. Barulho celestial.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , / / Comentar: aqui »

Quarta-feira, 20 Abril, 2016

V/A Every Song Has Its End: Sonic Dispatches From Traditional Mali CD + DVD / 2LP + DVD

€ 17,95 CD + DVD Glitterbeat

€ 27,50 2LP + DVD (+ mp3) Glitterbeat

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

O Mali, ali entre o Saara e o que se chama África Ocidental, é um dos grandes territórios africanos. A sua música é tão diversa como a expansão e as diferentes correntes que sopram a Norte e a Sul, mas o que ouvimos nesta recolha é sempre, no mínimo, intenso, seja quando a voz conduz imperiosamente os instrumentos ou quando o ritmo faz a sua magia irresistível e dominadora. Das guitarras e lamentos mais comuns no norte de África aos tambores da selva densa, tudo é comovente e a nós, seres que habitam mais ao norte e além das águas, isto bate de uma forma que talvez não seja a mais certa, mas na verdade quando bate não importa se é a mais certa. Para os realmente curiosos vamos deixar que o DVD incluso explique a história e as vidas que nós nunca conseguiremos explicar.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

A1. Group Ekanzam – “Le Souvenir” (3:59)
A2. Group Tagout – “Taganraratt” (5:26)
A3. kimsy Bocoum, Afel Bocoum, Hama Sankare – “Nianju Warde (Walk In A Way That Shows We Are Important)” (4:52)
B1. Super Onze – “Houmesiisa (The Gold Chain)” (8:58)
B2. Boukader Coulibaly – “Taka Kadi (That Adventure’s Song)” (6:52)
B3. Bina Koumare & Madou Diabate – “N’Djaba (The Person I Love)” (3:52)
C1. Mianka Cultural Troupe – “Apolo (Do Not Give Your Daughter To A Coward)” (6:36)
C2. Kassoun Bagayoko – “Kabako (Incredible)” (6:42)
C3. Sidiki Coulibaly – “Donzo Dasa (Praise For The Hunter)” (5:05)
D1. Inna Baba Coulibaly – “Sidi Modibo (Hommage To The Marabout – Saint Sidi Modibo)” (5:06)
D2. Cultural Troupe From Nioguebougoula – “Sigui Le (It’s The Wild Buffalo)” (7:02)
D3. Ibrahim Traore – “Woyika (The Sorrow)” (2:10)

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quarta-feira, 20 Abril, 2016

KARL BARTOS Communication CD / LP

€ 12,50 CD (2016 reissue) Trocadero

€ 16,95 LP (+CD) (2016 reissue) Trocadero

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

As reedições ficam cada vez mais próximas da realidade contemporânea. E, depois, mais uma vez Daft Punk na imagem, ainda que eles muito devam a Kraftwerk. Por seu lado, Kraftwerk muito devem também a Bartos, afastado há muitos anos mas muito próximo, ainda, no som. Este “ainda” é super relativo, já que o álbum é de 2003, fala da ligação à tecnologia (agora é mais do que evidente), mas o vocoder, a marcha electro e o ambiente mega robótico parecem poder ter origem apenas nos Kraftwerk, em algum dos seus afiliados ou em fãs que nunca fizeram o desmame. Bartos foi parte da formação clássica na década de 70, respeito e vénias até mais não. “Communication” prolonga o legado com novas criações numa época em que os próprios Kraftwerk (o que restava deles) já só se limitavam a reproduzir glórias passadas. Por gigantes, eternas, magníficas que essas glórias tenham sido, Kraftwerk deixaram quase de importar no século XXI. Bartos ainda sentia necessidade de dizer algo extra. Aqui está.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quarta-feira, 20 Abril, 2016

THE HONEYMOON KILLERS Les Tueurs De La Lune De Miel LP

€ 15,95 LP (+mp3) (2016 reissue) Crammed

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

A história diz tudo para bater certo. No início da década de 1970 Yvon Vromman formou em Bruxelas a banda Les Tueurs De La Lune De Miel. Mais tarde, juntou-se a Gérald Fenerberg, Jeanf Jones, Vincent Kenis e Marc Hollander (Aksak Maboul e fundador da Crammed Discs). Assim nasceram os The Honeymoon Killers, uma mistura perfeita entre a No Wave de Nova Iorque, a pop francesa da altura e jazz (embora aqui o jazz se possa relacionar directamente com a No Wave). Para coisas mais presentes do passado, os Honeymoon Killers são uma espécie de versão mais amanhada de uns Family Fodder ou de uns 49 Americans, não quer dizer que sejam melhores, mas há um requinte mais romântico nas suas músicas. Naquela esquizofrenia há uma espécie de perfeição em como fazer o cruzamento entre géneros e, de repente, completar a ideia e estrutura de uma música pop: o início de “Fonce A Mort” atira-nos logo para Liquid Liquid e, segundos depois, estamos em DNA, mas sempre com uma funcionalidade pop perfeita. Um clássico e um daqueles discos obrigatórios da Crammed finalmente reeditados em vinil.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Segunda-feira, 18 Abril, 2016

IGGY POP / TARWATER / ALVA NOTO Leaves Of Grass LP

€ 18,95 LP Morr Music

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Notórios por celebrarem a vida física e até material, os poemas de Walt Whitman reunidos no livro “Leaves Of Grass” são agora (sete deles) musicados por um rei do sintético (Alva Noto), um punk original (Iggy Pop) e Tarwater. A voz envelhecida de Iggy dá um necessário tom de solenidade que só acrescenta valor aos textos. A semi-pop de Tarwater conjuga-se com a minúcia de Alva Noto para um pano de fundo entre raster-noton e pós-rock, adaptando a intervenção às palavras. “A Woman Waits For Me” começa assim: “A WOMAN waits for me—she contains all, nothing is lacking,
Yet all were lacking, if sex were lacking, or if the moisture of the right man were lacking. Sex contains all, Bodies, Souls, meanings, proofs, purities, delicacies, results, promulgations, Songs, commands, health, pride, the maternal mystery, the seminal milk; All hopes, benefactions, bestowals, All the passions, loves, beauties, delights of the earth, All the governments, judges, gods, follow’d persons of the earth, These are contain’d in sex, as parts of itself, and justifications of itself.”
É um disco conceptual, isso nem se discute, mas não são apenas as palavras fortes de Whitman que sobressaem neste LP. A música sobressai de uma forma respeitosa, escondendo-se estrategicamente, minimizando-se sem se tornar mera decoração. Outras vezes dá ênfase às palavras, mas nunca se substitui a elas. Peça essencial nas discografias de cada um dos artistas envolvidos, “one of a kind”.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , / / Comentar: aqui »

Segunda-feira, 18 Abril, 2016

KONONO Nº1 meets BATIDA LP

€ 24,50 2LP Crammed

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

África com África, explosão. E se for em Lisboa? Já não parece novidade, mas acontece que Konono Nº1 e Batida se juntaram a Papa Juju dos Terrakota, à vocalista Selma Uamusse (oiçam-na na Flur no próximo dia 30, ao vivo) e MC AF Diaphra. Sai ritmo por todos os poros, uma máquina pulsante de regulação do corpo para uma vida intensa, extasiante, com o som meio eléctrico de Konono a pairar sobre as percussões. Este álbum soa notoriamente mais africano, contagiante, talvez menos divertido mas esta música não tem de ser “engraçada” e sim energética, positiva na acção. Vai tudo atrás. Um arraso.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Segunda-feira, 18 Abril, 2016

DENNIS YOUNG Wave – Electronic Music 1984-1988 LP

€ 16,95 LP Bureau B

Já falámos de Dennis Young por altura da edição de “Reel To Real” pela Staubgold. Agora é a vez da Bureau B deitar as mãos a mais algum material do percussionista do Liquid Liquid (nomeadamente cassetes que editou entre 1984 e 1988). As gravações em modo electrónica de Dennis Young são singelas, quase um tributo a artistas da electrónica que admirava na altura (Klaus Schulze, Brian Eno, entre outros) e é completamente diferente daquilo que se esperava de um músico dos Liquid Liquid. Do cósmico ao ambiental, os temas aqui presentes são de um extremo rigor e quase que nos fazem viajar para os primórdios da electrónica e de alguma library music. Material muito bonito e especial.


NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

https://api.soundcloud.com/tracks/241765414

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , / / Comentar: aqui »

Segunda-feira, 18 Abril, 2016

V/A Sued 14 12″

€ 9,95 12″ SUED

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

A sério, este pessoal. Conspiração de tribalismo norte-europeu adensa-se. Alguma coisa acontece naquela selva fria. Batuque house (nunca confundir com “tribal house”) sempre no comprimento de onda hipnótico, puxando, puxando a nossa resistência até ao ponto da flutuação no ritmo. É bom. África imaginada em todo este EP com PG Sounds, DJ Fett Burger e Dynamo Dreseen. 14 minutos de cada lado (o segundo tem 2 faixas) para propriamente entrar na zona tropical. Festivo apenas para o corpo, de uma forma, diríamos, “anatómica” ou bio-mecânica, deixando a mente procurar o transe que quiser ou a sua total ausência. Não significa necessariamente felicidade mas dinâmica, movimento, e muitas vezes atrás disso vem o resto.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , / / Comentar: aqui »

Segunda-feira, 18 Abril, 2016

A.R. & MACHINES Die Grune Reise – The Green Journey CD + DVD

€ 13,95 CD + DVD Tangram

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Porque é que estamos a falar de uma reedição de 2007 de um disco de 1971? Digamos que este chega à loja por benefício de arrumações de discos em casa de um dos sócios da Flur. Todos fazemos arrumações e nesse processo damos de caras com discos que, por inúmeras razões (nem vale a pena enumerá-las), ficaram pouco ouvidos ou apenas nos lembramos que são muito bons mas não temos ideia porquê. E ao meter “Die Grüne Reise” na aparelhagem fez-se o clique, da maravilha que isto era e que na altura – 2007 ou 2008 – não falámos dele ou não lhe demos o devido destaque porque era caríssimo. E ao olhar para a editora repara-se que é trabalhada por um fornecedor nosso e que talvez agora esteja a melhor preço. E foi isso que aconteceu. Quase dez anos após a reedição desta maravilha estamos aqui para falar dela. Não é tarde. Acreditem. Este disco é uma maravilha. A história é simples, Achim Reichel, na altura membro dos The Ratles, quis experimentar em estúdio algo diferente, afastado da convenção pop a que estava habituado. Este é o seu primeiro disco a solo e entra em linha com muito do rock alemão que se fazia na altura – lembramo-nos logo de Kraftwerk e Neu! -, mas na altura não foi muito bem recebido. Algumas pessoas perceberam-no mas não foi o suficiente para que caísse nalgum esquecimento – a editora renegou-o passado alguns anos – e que as cópias existentes ficassem na mão de colecionadores. Curiosidades, Brian Eno diz que este é o álbum que o inspirou para “Another Green World”, no “Krautrocksampler” de Julian Cope tem alguns elogios, mas ouvi-lo hoje ultrapassa todos os elogios que lhe têm sido feitos. É uma maravilha, o som da percussão estabelece logo um bom contacto com Neu! mas é a guitarra que torna este disco especial. É um cruzamento perfeito entre rock-pop e uma jam session. Há uma liberdade na guitarra que cruza bem o psicadelismo, o rock progressivo e aquilo que se ouvia no rock/krautrock alemão na altura. O que é incrível é que “Die Grüne Reise” não soa a nada que estivesse a ser feito. É uma trip, mas é uma muito específica. E essa especificidade é conquista pela homogeneidade dos temas, o conjunto parece uma longa peça dividida em segmentos. Algo que faz sentido, Achim Reichel imaginou o disco como uma banda-sonora para algo que não aconteceu. nesta reedição surge concretizada num filme – muito tripante –, com imagens que se adequam à experiência de ouvir este álbum. A sério, isto é um doce inesperado. É escusado dizer que estamos sempre a descobrir pérolas deste período. Esta, de facto, já estava descoberta há algum tempo, mas chega agora em condições para todos nós. E é um disco incrível. Não passem ao lado, isto é bomba.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , / / Comentar: aqui »

Segunda-feira, 18 Abril, 2016

PRINCE RAMA Xtreme Now CD / LP / LP Limited

€ 11,95 CD Carpark

€ 18,50 LP Carpark

€ 19,50 LP (Limited) Carpark

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

“Xtreme Now”? Só se for em pop :) E nisso, Prince Rama fazem aqui um conjunto de Peaking Lights com Italians Do It Better e algum electro de que a memória já tem dificuldade em lembrar-se. Resulta num disco festivo em que há uma espécie de simulação de Daft Punk desde a capa aos brilhos nos beats e synths. Torna-se meio estranho ouvir guitarras em “Would You Die To Be Adored”, “Sochi”, “Shitopia”, por exemplo. Há qualquer coisa de shoegaze – ok – extremo, muitos 80s a acontecer, fluor flashante e quase uma atitude ritualista perante essa década, montando um altar que, mesmo assim, transcende o tempo e chega até hoje com, lá está, um brilho nos olhos. “Sochi”, ao seu modo, é quase música de igreja, enquanto o tema 6 se chama “Believe In Something Fun”. Quem disse que rituais têm de ser sérios e até dolorosos? O LP mais barato tem poster e código para download, o LP mais caro tem poster, código para download e o que a editora chama “starbust black/neon green vinyl”.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , / / Comentar: aqui »

Sexta-feira, 15 Abril, 2016

RUI EDUARDO PAES Anarco-Queer? Queercore! LIVRO

€ 10,00 LIVRO Chili Com Carne / Thisco

Paperback, 80 páginas, p/b, 16,5 x 22cm.

Notas de capa:

O queercore foi-se esvaziando nos últimos anos, apesar da existência de novas bolsas de liberdade, apesar dos sinais de que a hecatombe do capitalismo pode mesmo acontecer e apesar do nomadismo dos sexos. Muito de bom foi produzido no impulso de enfiar os dedos em lugares quentes e húmidos, mas não será pouco? O hardcore queer ainda resiste, mas resiste porque está na defensiva, porque está fraco. É como se tivesse sido geneticamente programado para falhar. Mas quando ouvimos um estridente feedback dos Apostles e dos Nervous Genre tudo, absolutamente tudo, parece possível… Vamos acreditar que sim, OK?


NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , / / Comentar: aqui »

Sexta-feira, 15 Abril, 2016

NIAGARA Félix, Fernando e Constantino CDR

€ 4,95 CDR Ascender

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Niagara, quê? Quinto CDR em 2016? Mais um maxi (e vem aí outro). Máquinas de trabalho bom, variando sempre o suficiente e planeando as faixas correctas para cada edição. Não pensem nem por um momento que isto são meros aglomerados de música que por acaso está pronta. 15 faixas, a fazer render bem o tempo, house e techno sempre aquele bocado ao lado da norma (Niagara é Niagara). Agora enquandrados por uma bateria de nomes e editoras a fazerem o que têm de fazer, fazem parte de uma cena por enquanto saudável de bangers nacionais. Mas “Félix, Fernando e Constantino”, sejam quem forem, metem o coração a trabalhar de maneira diferente. Há muito barulho no meio da dança, “Picaponto” pica o miolo como ele precisa de ser picado com certa regularidade. Quem tem os outros, não vai hesitar, nem 5 EUR saem do bolso. Duas capas á escolha, nós preferimos a do pombo, mas há menos.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quinta-feira, 14 Abril, 2016

BITCHIN BAJAS and BONNIE PRINCE BILLY Epic Jammers And Fortunate Little Ditties CD / LP+12″ / CASSETE

€ 12,50 CD Drag City

€ 19,50 LP + 12″ Drag City

€ 8,95 CASSETE Drag City

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Talvez à espera de acontecer, ou já manifestada de outras formas em outros tempos, esta ideia de que os grandes espaços norte-americanos se abrem a folk mais tradicional mas também a ambientes electrónicos mais ou menos paisagísticos e/ou psicadélicos. “Epic Jammers…” revela logo o carácter épico das composições que enchem a voz de Bonnie Billy de eco. Sem a colocar em pano de fundo, dão-lhe um protagonismo menos habitual, mais misturado com os outros elementos, em comunhão com a qual Bonnie certamente se identifica – um título como “Show Your Love & Your Love Will Be Returned” não é casual. Aliás, todos os títulos convocam a comunidade humana para tempos que podem ser felizes agora, apesar de a música poder soar desligada e distante. Avancem para o próximo, está na hora.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quinta-feira, 17 Março, 2016

MARC HOLLANDER / AKSAK MABOUL Onze Danses pour Combattre La Migraine LP

€ 16,95 LP + mp3 (2015 reissue) Crammed Discs

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Numa época em que o acesso à informação é mais facilitado do que nunca, é com alguma incredulidade que se repara – e basta navegar nas redes sociais e perceber os likes – de como a cabeça das pessoas continua tão tacanha. Isto para dizer que – por incrível que pareça – hoje é mais difícil fazer-se um disco tão variado, arriscado e exploratório como este “Onze Danses Pour Combattre La Migraine” como em 1977. E uma das razões para voltarmos tanto ao passado, tanto às reedições, ou redescobertas, é precisamente esta vontade de explorar, este encontro com música que não encaixa em grupinhos: ainda existe, mas por inúmeras razões, em menor escala. E há um charme imenso naquilo que Marc Hollander e Vincent Kenis concretizam neste disco, seja pelo desejo de fundir vários géneros e derrubar uma certa barreira que existia com a música étnica – estávamos em 1977 – ou pela liberdade com que discursam na electrónica sem medo de parecerem ingénuos. E quando são ingénuos, logo a seguir entregam outra dose de ingenuidade (há muitas em “Onze Danses…”), e logo a seguir outra, e às tantas percebe-se que isso é o charme deste disco, é a frase de engate, uma estrutura que não recusa a experimentação com algumas barreiras e que tanto toca no minimalismo como no rock progressivo daquela década. E à medida que o disco corre entende-se que não é easy listening, library, jazz ou electrónica, é o que é. Às vezes tem groove, outras vezes tem uma criança insuportável a cantar (e, acreditem, é encantador, de uma certa forma), outra vezes fala de um futuro qualquer que não aconteceu. É um disco ilimitado, refinado e sem grande vontade de se enfiar em convenções. Que irreverente.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Terça-feira, 7 Abril, 2015

DJ SOTOFETT Drippin For A Tripp 2×12″

€ 16,50 2×12 Honest Jon’s

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Sotofett resume, de forma grandiosa, o trabalho que tem desenvolvido nos últimos anos com outros músicos e produtores. Cada um dos 4 lados nesta edição mostra uma face diferente e nomes diferentes, começando com Jaakko Eino Kalevi numa trip de guitarra baleárica e, diriamos, “nórdica”; o segundo lado sobe mais, com Lauer, puxa a clássica sonoridade ambiental das salas do fundo nas raves, larga um todo muito rico em camadas, harmonias, detalhes. Fecha com report intergaláctico. Épico. Com Karolin Tampere e Maimouna Haugen a rota é em África, break de kizomba num tempo house, voz solta e circular antes de a faixa desenvolver um sonho molhado psicadélico numa espécie de reprodução genuinamente sintética de genuínos sons africanos; dub e mais nervo logo a seguir, noutra versão que aproxiuma genericamente o conceito do que Mark Ernestus fez com Jeri-Jeri. Para fechar, Sotofett e Gilb’r fecham-se para uma jam baseada em “Pulehouse” (Sotofett, 2012); teclas e percussão com Korg adicionado por SVN. A versão principal tem mais músculo que o original e a “riddim run”, logo a seguir, isola a percussão para impacto perfeito e um selo de exotismo que Sotofett quase sempre utiliza como parte da sua identidade como produtor. África nas florestas nórdicas. Fecha tudo com recato campestre.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quinta-feira, 12 Março, 2015

DJ MARFOX Revolução 2005-2008 CD

€ 8,50 CD NOS Discos

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Marfox apanhou, com muito respeito, a dica de DJ Nervoso, mas ele próprio iniciou a sua dinastia desde os tempos dos DJs Di Guetto e da lendária compilação que lançaram no primeiro dia de escola em 2006. Trabalhador incansável e com sentido de direcção (“Eu Sei Quem Sou” é o título do seu primeiro EP na Príncipe, em 2011), ele agiu também muito como agregador de talentos, entre os quais vários que conhecemos agora na Príncipe (Maboku, Lilocox, Firmeza, etc.). “Revolução” mostra o jovem produtor dos 17 aos 20 anos, em aperfeiçoamento de batidas e na escuta da voz interior que traduz tudo aquilo de excitante que ouvia pelas mãos de Nervoso e da corrente que chega de Angola, sobretudo. Batidas transcontinentais que, nesta fase apesar de tudo ainda formativa, tinham que culminar, para efeitos de retrospectiva, em “A Própria”, mega bomba de festa, muito ouvida e muito tocada, co-produzida a meias com DJ Nervoso. Especial carinho também pelo tarraxo sempre narcótico, aqui representado por “Sem Fronteiras”, e ainda a – esta sim – revolução em cadência de house que é “5 da Manhã”. História que nos orgulha. Vaai!

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , / / Comentar: aqui »