Segunda-feira, 15 Outubro, 2018

V/A Diggin In The Carts: A Collection Of Pioneering Japanese Video Game Music CD / 2LP

€ 14,50 CD Hyperdub

€ 32,95 2LP Hyperdub

Atitude ousada e justificada num momento em que se começa a dar atenção à música electrónica produzida para animação e videojogos japoneses ao longo das décadas de 1980 e 1990. São criações distintas, contudo, a abertura de uma tem permitido que o universo da música criada para videojogos ganhe algum respeito, aceitação e se perceba a sua influência na música electrónica de artistas que surgiram na última década: muitos cresceram com estes sons nos ouvidos. “Diggin’ In The Carts” puxa logo pela referência aos cartuchos de videojogos e as especificidades dos seus sons próprios e exequíveis nas placas de som das consolas e das arcadas. As limitações deram caminho à criatividade e a partir de uma série de documentários produzidos pela Red Bull Music Academy, com o mesmo título desta compilação, Nick Dwyer e Kode9 resolveram explorar um universo e fazê-lo sair de um nicho. Os temas curtos e directos de “Diggin’ In The Carts” são um exercício de nostalgia para quem jogou alguns destes videojogos, para os que desconhecem é um mundo admirável de acção, tensão e sons com um ritmo muito próprio e um beat que cria uma narrativa imediata: é fácil perceber, imediatamente, os sons de níveis de boss ou de momentos mais genéricos de um videojogo. Contam uma história breve e na sua presumível simplicidade – audições prolongadas e mais atentas maximizarão a experiência deste tipo de composição – revelam um mundo que esteve sempre à mão de semear mas que só nos últimos anos está a ter a devida atenção. A história da música electrónica também se faz por aqui. E sem esta cultura e o rasgo de génio de quem conseguiu criar estas pequenas maravilhas dentro das limitações de um cartucho não teríamos alguma da electrónica que ouvimos hoje.

“By layering and rearranging a small palette of pure sound waves, game music of the 1980s and early 90s was experimental by sheer necessity, and there was no mixing and mastering, which in the context of that era, meant less commercial airbrushing. (…) The compilation’s laser-guided focus on sound wave fits it neatly into the Hyperdub catalogue, and many interludes could be beatless Zomby instrumentals, though there’s often a weightless, elliptical feel that’s strinkingly out of step with the baning beats and samples that were soundtracking games in arcades and one home computers like Commodore Amiga in the early 1990s. Still, Hyperdub has made being out of step nto an art form over the last decade or more, and ‘Diggin’ In The Carts’ is the most inventive video game music compilation in living memory.” Derek Walmsley, The Wire #406

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quinta-feira, 16 Agosto, 2018

MIDORI TAKADA Through The Looking Glass CD / LP / 2×12″

€ 12,50 CD (2017 reissue) We Release Whatever The Fuck We Want

€ 21,50 LP (2017 reissue) We Release Whatever The Fuck We Want

esgotado 2×12″ (2018 reissue) We Release Whatever The Fuck We Want

OUVIR / LISTEN:
CLIP1CLIP2CLIP3CLIP4CLIP5

“Through The Looking Glass” (1983) é gravado em dois dias já com o foco de Midori Takada em tradições asiáticas e africanas, que ela identificou como parte de culturas não-materialistas. Os quatro movimentos no álbum parecem seguir um relevo de paisagem, oscilando entre a contemplação pacífica da Natureza e, consequentemente, do Eu, e a agitação do movimento expressa através de momentos em que a percussão soa como força motriz da nossa postura no mundo. Midori Takada trabalhou aqui sobretudo sob a influência de ritmos asiáticos, mas a tradição e ancestralidade misturam-se com a modernidade em “Crossing”, onde ela se inspira nos sons que capta em passagens de nível no Japão. Não é difícil imaginar a marcha de um comboio sobre os carris ao escutar o passo sincopado das marimbas. O disco termina com máxima adrenalina em “Catastrophe ?”, assinalando o pleno contraste com o início espreguiçante de “Mr. Henri Rousseau’s Dream”, em que o trabalho do pintor francês é revisto pela música até chegarmos à capa de Yoko Ochida, ela própria assemelhando-se a uma revisão da exótica esotérica que Rousseau produziu na segunda metade do século XIX. Tudo se torna simples quando se ouvem estes quarenta minutos, divididos em quatro peças que parecem navegar para um sentido comum. E se a navegação é feita numa espécie de mar sonoro, sempre mais visível quanto mais se ouve este álbum, então a música de Takada flutua pelas nossas mentes como um sonho bonito que ficou perdido e do qual se está constantemente à procura.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quarta-feira, 31 Janeiro, 2018

COIL present TIME MACHINES CD / 2LP

€ 12,50 CD (2017 reissue) Dais

€ 28,95 2LP (2017 reissue) Dais

OUVIR ÁLBUM COMPLETO / LISTEN TO FULL ALBUM
Time Machines

Assumidamente dirigido ao interior, expandindo a consciência para dentro de si própria através do que Coil chamaram Sidereal Sound (“Das estrelas”), Time Machines desafia a química do cérebro enquanto avança esteticamente os interesses de Jhon Balance e Peter Christopherson. Com uma certa base nas ideias e técnicas de Austin Osman Spare, cujos desenhos procuravam a característica “das estrelas” que pudesse abrir portas ao contacto com outros planos de realidade e consciência, o som do disco, correspondente a substâncias químicas, entretém a noção de deslocação no tempo, colocando-nos idealmente face a uma certa desorientação no contacto connosco próprios, se deixarmos a mente seguir o seu curso. Na verdade, o que se encontra durante o caminho delimitado pela duração do álbum pode, até, equivaler, a uma proveitosa sessão de meditação. Não é descabido argumentar que toda a obra de Coil se orientou no sentido de contactar com forças desconhecidas, e aí reside parte do fascínio continuado que o projecto exerce, bem para além da morte. Ao “utilizar” música de Coil, estamos com a possibilidade de aceder a um qualquer Lado De Lá. Não percam.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quinta-feira, 28 Dezembro, 2017

CÂNDIDO LIMA Oceanos LP

 € 18,95 LP Grama

Em Dezembro de 2016, por ocasião da reinterpretação de “Oceanos”, no Rivoli, Cândido Lima afirmou que “uma das coisas que me marcou e entusiasmou sempre, em Xenakis, era a sensação de que algumas obras nasciam desordenadas. Iam encontrando a sua ordem”. Talvez essa ideia se aplique a muita da música que se considera inacessível, para a qual é necessário estarmos disponíveis. Gravada em 1979 por encomenda da Gulbenkian, “Oceanos”, para orquestra, vozes, percussão e electrónica, inspirava-se na possível descoberta, pela NASA, de oceanos em Neptuno. A natureza obviamente alienígena da música e o seu grão clássico contribuem para a imagem fortíssima e segura de um cosmos onde, por defeito, perdemos o pé. Fascinante e importante inauguração do catálogo Grama, cuidado pela Matéria Prima, no Porto, e com arranjo gráfico de Miguel Carvalhais.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quinta-feira, 28 Dezembro, 2017

FILIPE PIRES Canto Ecuménico LP

 € 18,95 LP Grama

Três obras compostas entre 1972 e 1979, reunidas originalmente num LP com o mesmo alinhamento deste, em 1980. “Homo Sapiens” simboliza a terra e a criação através da manipulação da voz humana. Sequências quebradas, momentos guturais, frases sem língua-mãe definida, ecos e cascatas de som, num trabalho que Filipe Pires completou enquanto estudante nos estúdios GRM; “Canto Ecuménico”, a peça mais longa (ultrapassa os 20 minutos) expressa claramente a intenção de agregar a humanidade sob uma bandeira comum, fazendo conviver o som de tradições religiosas de diversas partes do globo numa longa sequência de colagem que desafia o ouvido mas talvez, também, as ideias feitas de alguns de nós. Pires foi, aliás, de acordo com João Almeida, no site da RTP, “Especialista de Música no Secretariado Internacional da UNESCO, em Paris, participando em missões oficiais a vários países da Europa de Leste, África e América Latina.”, ainda na década de 70. A sua formação mais clássica nunca foi barreira para a vontade de exercer liberdade criativa e, quando chamado a dirigir o Conservatório Nacional, em Lisboa, “introduziu a disciplina de Música Eletroacústica e retomou a disciplina de Análise.” Por último, “Litania” segue uma corrente de fascínio, na música concreta e electro-acústica, pelo som do metal, mais puro e/ou em bruto ou mais trabalhado através de meios electrónicos. A peça funciona, no contexto português, como uma espécie de abordagem ao que, na música popular, já se poderia chamar de industrial. Importante.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quarta-feira, 27 Dezembro, 2017

NOT WAVING Good Luck CD / 2LP

€ 10,95 CD Diagonal

€ 21,50 2LP Diagonal

[audio:http://www.flur.pt/mp3/DIAG042CD-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/DIAG042CD-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/DIAG042CD-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/DIAG042CD-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/DIAG042CD-5.mp3]

A editora de Alessio Natalizia (Not Waving), a Ecstatic Recordings, talvez ofereça mais coordenadas para a sua música do que inicialmente se suspeitava. Juntamente com Powell, Not Waving tem trabalhado na intensa cruzada entre o rock transgressor das décadas de 1970 e 1980 com a música de dança britânica das décadas de 1980 e 1990. “Good Luck” é de longe o seu álbum mais visionário, algures entre o electro e um pós-industrial, completamente partido e destituído das suas ideias de raízes. É música do século XXI, portanto. Há uma urgência eficaz em cada um dos temas deste seu novo trabalho, uma transgressão da história e das raízes da dança para criar um álbum de rock sem guitarras. “Good Luck” é rock violento e viciante como não se ouvia desde o EP homónimo de Powell. E essa urgência, que contagia e liberta, é aquela que se ouvem em muitos dos discos que Alessio reedita na sua Ecstatic, com a transformação certa para uma linguagem presente. Para ouvir bem alto e sem limitações. Um dos grandes discos do ano passado. Que nos bateu tarde, sim, mas que vai ficar aqui para sempre.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Sábado, 23 Dezembro, 2017

NOCTURNAL EMISSIONS Nocturnal Emissions CD

€ 16,50 CD Mannequin

OUVIR / LISTEN:
CLIP1CLIP2CLIP3CLIP4CLIP5

Retrospectiva muito acarinhada por aqui nas últimas instâncias do ano de 2017, vai colher música do catálogo inicial de Nocturnal Emissions. Capa por Simon Crab (Bourbonese Qualk), masterização por Rude 66, nesta actualização de um dos legados mais interessantes da cena industrial rítmica. Alerta sincero aos fãs de caixa-de-ritmos seca, distorcida mas distinta. Série de faixas superlativas que atacam ainda hoje a complacência formulaica de quem se passeia pelo género por mera nostalgia. Isto é funk. Forte, adulto, irreverente. Vinil esgotado, relembramos o CD.


NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Sábado, 23 Dezembro, 2017

BILL MACKAY RYLEY WALKER SpiderBeetleBee LP

€ 17,95 LP Drag City

[audio:http://www.flur.pt/mp3/DC688-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/DC688-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/DC688-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/DC688-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/DC688-5.mp3]

Há muitas histórias nas cordas de Bill MacKay e Ryley Walker, bem como História. Há algo de apaixonante em como os dois dialogam neste “SpiderBeetleBee”, um disco que oscila entre o blues, a folk e entra numa espécie de composição barroca, totalmente inspirada pela música europeia de séculos passados. Contudo, o “barroco” não se impõe, há alegria e magia a acontecer ao longo dos temas, como se fosse música de banquete, de festa. Barriga cheia, ouvidos ainda mais felizes. Tem melodias e uma harmonia que faz lembrar os tempos áureos de Six Organs Of Admittance, sem a contemplação infinita do infinito (que saudades) mas com uma alegria de viver pelo desfrutar do dia. Diríamos surpresa, mas vindo destes dois, é absurdo ir por aí.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quinta-feira, 14 Dezembro, 2017

GARCIA DA SELVA Radical Savage LP / CASSETE

€ 19,95 LP Ed. Autor

€ 5,95 CASSETE Urubu Tapes

Ouve-se algo de profundamente metaleiro no sludge de “Ogongo”, em mutação para Progressivo. Logo de seguida, “Deadwood” relança o prog com sensibilidade Library, vagueando por um espaço funcional à procura de uma vaga por preencher. Na verdade, o álbum faz-se de uma busca incessante por um lugar que parece sempre fugir, isto é, a música instala-se para logo se desassossegar e partir para outro local. A espaço, soa a clássica Exotica dos anos 80 e 90, como no chillado “Pantufas De Estremoz” (ainda assim, uma dissonância indica algum maquiavelismo por detrás da ambiência aparentemente inócua. A multidisciplinaridade de Garcia (Manuel Mesquita) contribui certamente para um olhar menos comprometido, ou menos preso, e se tocou ao lado de Norberto e João lobo, também pôde ser visto no écran em filmes de João Nicolau, Sandro Aguilar ou Miguel Gomes. Estranho, improvável e cheio de uma portugalidade tradicional, por vezes de pesquisa folclórica, mas uma que não parece possível sem terem existido os Animal Collective. É bem especial.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quinta-feira, 14 Dezembro, 2017

KAITLYN AURELIA SMITH The Kid CD / 2LP

€ 15,50 CD Western Vinyl

€ 34,50 2LP Western Vinyl

A resposta à pop de “The Kid” está nos outros discos de Kaitlyn Aurelia Smith. Nos anteriores “Euclid” e “EARS” era por demais evidente que as aventuras sonoras de Aurelia Smith iriam encontrar um formato mais condensado e acondicionado a melodias mais vistosas, orelhudas e imediatas. Olhando para trás e reouvindo os álbuns anteriores, essa vontade está lá. Talvez faltasse a coragem ou o poder de síntese para encontrar esse espaço na sua música. Encontrou-o agora em “The Kid” sem se desencontrar com os universos multicoloridos e explosivos dos seus sintetizadores. É tudo o que vivemos nos seus anteriores álbuns e mais, dizendo que “The Kid” é o começo de um futuro ainda mais brilhante. Há pouca música tão luminosa como a de Aurelia Smith e, melhor, tão convencida da sua luz e da importância para nos transportar para um mundo de exageros belos. Obrigatório.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quarta-feira, 13 Dezembro, 2017

GEINOH YAMASHIROGUMI Akira: Symphonic Suite 2LP

€ 41,50 2LP Milan

[audio:http://www.flur.pt/mp3/399858-2-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/399858-2-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/399858-2-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/399858-2-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/399858-2-5.mp3]

Talvez nenhum outro filme de animação tenha uma banda-sonora tão importante como a de “Akira”, a cargo de Geinoh Yamashirogumi. O filme foi construído em volta da banda-sonora e para quem conhece a obra isso só pode ser demasiado evidente. Não é só uma questão de fluência, mas o universo de Akira em filme não poderia existir sem estes sons. Para quem está familiarizado com uma e com outra, as coisas completam-se, as imagens surgem com os sons e ao ouvir os sons as imagens surgem. É música que ocupa o espaço, que faz fluir imagens e que soa cada vez melhor do que os tempos passam. A existência de uma reedição oficial, e de qualidade, em vinil desta obra-prima é um mistério que acabou em 2017. Existe e está aqui. Já falámos de Geinoh Yamashirogumi noutro momento, mas o conjunto liderado pelo genial Shoji Yamashiro nunca realizou algo tão preponderante e universal como em “Akira”. É mágico, alucinante desde os primeiros sons de “Kaneda”, hipnótico em todo o seu caminho (o cume é atingido em “Tetsuo”) e um sonho em metamorfose (“Dolly’s Polyphony”, um dos temas mais curtos, é arrepiante e uma pesadelo em movimento). Se nunca ouviram, do que é que estão à espera? Se isto não está em vossas casas, do que é que estão à espera?!

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quinta-feira, 7 Dezembro, 2017

PAULINE ANNA STROM Trans Millenia Music CD / 2LP

€ 17,50 CD RVNG Intl.

€ 32,95 2LP RVNG Intl.

[audio:http://www.flur.pt/mp3/RERVNG10CD-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/RERVNG10CD-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/RERVNG10CD-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/RERVNG10CD-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/RERVNG10CD-5.mp3]

Magia vinda dos anos 1980. O pensamento em relação a alguma da música electrónica deste período remete sempre para o lado cósmico, para o espaço, o universo, as viagens espaciais: afinal o cosmos fazia parte da ficção científica, o espaço era – e ainda é – o futuro. Mas esta belíssima compilação de material de Pauline Ann Strom, gravado entre 1982 e 1988 tem as setas apontadas para o mar. Claro que se podem ver tempestades suaves num qualquer planeta distante, mas o tempo e a energia deste “Trans Millenia Music” é totalmente oceânico: há a paz e as cores do mar. Pode ser uma questão de perspectiva mas, por exemplo, as vozes sintetizadas que se ouvem ao longo do disco são muito mais de um canto de sereia do que de uma voz alienígena. Ou seja, é muito mais um encantamento do que o prazer ou a curiosidade pelo desconhecido. Arrebata a cada momento e é de uma profunda brandura: quase um disco de meditação sem o carácter new age. E se às vezes procuramos planetas nas músicas, com “Trans Millenia Music” conhecemos aqueles que estão no fundo do mar. Estão aqui as coordenadas todas.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quinta-feira, 7 Dezembro, 2017

PEARLS BEFORE SWINE One Nation Underground – 50th Anniversary CD / LP

€ 12,95 CD (2017 reissue) Drag City

€ 19,50 LP (2017 reissue) Drag City

[audio:http://www.flur.pt/mp3/DC659CD-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/DC659CD-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/DC659CD-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/DC659CD-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/DC659CD-5.mp3]

Primeiro álbum de uma das bandas mais iluminadas do folk psicadélico dos 1960s. Talvez mais conhecidos pelo também magnífico “Balaklava”, os Peals Before Swine iniciaram o seu desbravamento por um universo imenso com este “One Nation Underground”. Liderados por Tom Rapp, provavelmente o sopinha de massa mais importante da música popular, os Swine procuram aqui o seu lugar na folk numa altura em que era muito difícil não ser original dentro do género. O que os distingue dos demais é o genial distanciamento da realidade: as canções de “One Nation Underground” estão em constante luta umas com as outras, como um desejo de não pertença a um grupo. É essa disjunção, ou incoerência, que torna este álbum tão fascinante – e os Swine tão especiais -, um desejo natural de não estarem ligados a qualquer rótulo e comporem as suas canções de uma forma muito distanciada do momento em que viviam. Não estavam à frente do seu tempo, “One Nation Underground” pertence aos 1960s, mas ainda hoje é um disco desconcertante, sem qualquer ordem ou sentido de direcção. Está totalmente desorganizado, um caos belíssimo que agrupa canções que entram no maravilhoso bucólico ou no mais aterrador dos pesadelos (e não estranhem se acontecer tudo ao mesmo tempo). Cinquenta anos depois, é fantástico revisita-lo e uma revelação quando ouvido pela primeira vez.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quarta-feira, 6 Dezembro, 2017

GOLDEN TEACHER No Luscious Life CD / LP

€ 12,95 CD Golden Teacher

€ 22,50 LP Golden Teacher

[audio:http://www.flur.pt/mp3/GT003CD-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/GT003CD-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/GT003CD-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/GT003CD-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/GT003CD-5.mp3]

O esperado primeiro álbum. E se não é uma compilação de faixas anteriormente editadas, representa um conjunto de música que a banda já afinou ao vivo (como bem sabemos, por cá) e no seu estúdio The Green Door. Golden Teacher chegam a 2017 como uma força séria no circuito ao vivo mas também com uma impecável reputação de edições em disco. A junção entre África, acid house, industrial e pós-punk soa muito natural e nada complicada, apesar dos arranjos ricos. GT são o que !!! e Spektrum poderiam ter sido se não tivessem amaciado o seu som, são a reencarnação das experiências dub de Andy Partridge e XTC (“What Fresh Hell Is This?”), os LCD Soundsystem com mais nervo, são a pátria de várias periferias. Na contínua reinvenção do encontro entre dança e pop, “No Luscious Life” entra para o topo.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quarta-feira, 6 Dezembro, 2017

BITCHIN BAJAS Bajas Fresh 2LP / 2xCASSETE

€ 23,50 2LP Drag City

€ 12,95 2xCASSETE Drag City

[audio:http://www.flur.pt/mp3/DC678-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/DC678-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/DC678-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/DC678-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/DC678-5.mp3]

“Bajas Fresh” assinala nova partida de Bitchin Bajas em direcção ao eterno desconhecido. Isto querendo significar que cada álbum representa uma brava incursão em território sónico menos sistematizado. Seguramente num plano de jazz espiritual, os Bajas assumem uma certa tradição norte-americana de música expansiva e simultaneamente íntima, de pacificação e descoberta pessoal. Se quisermos, de ligação entre todas as coisas, como uma substância agregadora que, em passos graduais, procura chegar ao Om. Naturalmente, a maioria das faixas é longa, as referências ao Oriente são, até, concretas (“Jammu” e “Yonaguni”), joga-se qualquer coisa de muito importante em “Angels & Demons At Play” (original de Sun Ra). Álbum circular, cuja porta de entrada pode ser qualquer uma das faixas. A sensação é de entrarmos em algo que já está em movimento.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quarta-feira, 29 Novembro, 2017

NORM TALLEY Norm-A-Lize CD

€ 21,50 CD FXHE

[audio:http://www.flur.pt/mp3/FXHENT1-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/FXHENT1-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/FXHENT1-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/FXHENT1-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/FXHENT1-5.mp3]

Há uma mensagem muito convicta e muito sonora ainda a passar para nós através deste sector de produção house e techno em Detroit. “Norm-A-Lize” cumpre até uma função didáctica ao longo das 14 faixas, mostrando como se trabalham loops de Funk, Soul e Disco por cima de uma batida, mostrando ainda o nervo de malhas mais secas, partindo da base mais simples para um efeito bem forte (“Seneca St Gruv”, por exemplo). O álbum soa 100% directo para a pista de dança, não há qualquer tentativa de encher tempo com ambiências ou conceptualizações, apenas a força honesta da batida. Pouco para dizer, muitos minutos para suar. “Cause I Believe”.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , / / Comentar: aqui »

Segunda-feira, 27 Novembro, 2017

ERRORSMITH Superlative Fatigue 2LP

€ 22,95 2LP PAN

[audio:http://www.flur.pt/mp3/PAN81-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/PAN81-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/PAN81-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/PAN81-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/PAN81-5.mp3]

“Superlative Fatigue” é um álbum há muito prometido – e esperado – que demorou anos para ver a luz do dia: estava nas listagens da PAN há algum tempo. Errorsmith não editava há 13 anos, mas esteve sempre activo. Tem estado presente em muitas festas com música que comunica com o presente e havia um entusiasmo crescente do que poderia sair da mente de Erik Wiegand. O segredo foi desvendado e este “Superlative Fatigue” é uma configuração abstracta da música de dança mais actual dos dias de hoje (com Príncipe à cabeça, é claramente notória a influência da Príncipe na desconstrução metódica de Errorsmith). Música android, existencial, em sintonia com os melhores dias da PAN. Um futuro clássico. Cópias muito limitadas.


NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quinta-feira, 16 Novembro, 2017

COLLEEN A Flame My Love, A Frequency CD / LP

€ 14,50 CD Thrill Jockey

€ 18,95 LP Thrill Jockey

[audio:http://www.flur.pt/mp3/THRILL449CD-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/THRILL449CD-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/THRILL449CD-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/THRILL449CD-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/THRILL449CD-5.mp3]

A música de Colleen é uma bolha de contemplação, um lugar seguro em que isso está presente e onde o receio da bolha rebentar é inexistente. A sua música aconchega e por mais fronteiras que desafie, sabe-se que se está num local de confiança. “A Flame My Love, A Frequency” ameaça testar esses limites, logo no início com a lindíssima “Separating”, mas ao fim de uns minutos enrolados nas texturas dos seus sintetizadores percebe-se que o envolvimento na nuvem de Colleen não vai desaparecer. Aconchega, abraça, os sons começam a trazer calor humano com a voz de Colleen, mesmo que seja residual, esparsa, esotérica. E está lançado o mote para o disco, um belíssimo disco de electrónica, homenageando um passado que tanto passa por Delia Derbyshire e Suzanne Ciani como os Kraftwerk de “Radioactivity” ou a descoberta disto tudo dos Radiohead em “Kid A”. Colleen vai mais longe e cria um crescendo, as texturas – a nuvem-Colleen – assumem uma forma que envolve o ouvinte como nunca se ouviu num álbum de Colleen. Maturidade, inocência e o céu juntos para um magnífico acontecimento. Mais um de Colleen, o seu melhor até à data.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quinta-feira, 9 Novembro, 2017

DJ LYCOX Sonhos & Pesadelos LP

€ 12,50 LP (hand-painted sleeve) Príncipe

Lycox vem com créditos Tia Maria Produções. O EP da crew, em 2014, incluía o fantástico “O Tempo Da Vida” (Lycox) e é um pouco desse sentimento que captamos em “Solteiro”, a faixa de avanço neste álbum. Impossivelmente romântico e tropical, ao lado da norma, puxando por vozes sintéticas que acentuam uma certa melancolia. Rico nos detalhes de produção, o resto do álbum não procura tão activamente o romance (mas atenção ao sentimento em “Virgin Island” e “Sky”) mas tem um house abençoado (“Domingo Abençoado”), triste por só durar 2 minutos, e opera bem uma qualidade cromada no futurismo afro-cêntrico em faixas como “Weekend” ou “Galinha”. A derivação em relação à matriz do kuduro exibe as ideias vanguardistas de Lycox, nesta música juvenil, naturalmente rebelde, mas agregadora e com tudo pela frente.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , , , / / Comentar: aqui »

Quarta-feira, 8 Novembro, 2017

GEOFFREY LANDERS 1 By 1 2LP

€ 22,50 2LP Music From Memory

OUVIR / LISTEN:
CLIP1CLIP2CLIP3CLIP4CLIP5

Na linha da pop estranha revisitada pela Music From Memory em “Uneven Paths”, “1 by 1″ completa mais um pedaço do fascinante (e nunca terminado) mapa de edições obscuras dos 80s e ideias desviadas em relação ao que é música pop. Geoffrey Landers lançou alguns discos entre 1982 e 87 no seu selo Cauhaus, próximo de um som habitualmente conotado com o industrial e uma certa new wave menos power-pop. No entanto há algo de Devo, aqui, como há de “My Life In The Bush Of Ghosts” (Eno / Byrne) e até de Pop Group. Produto da sua época, sim, mas pouco fiel aos cânones que tornaram enfadonha a década de 80, tomada como um todo. É possível hoje em dia, felizmente, concentrarmo-nos no absolutamente bom. “1 By 1″ não é apenas surpreendente, em retrospectiva coloca Geoffrey Landers no grupo de nomes a reter para sempre quando os 80s surgirem (de novo) à nossa frente.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , , , , / / Comentar: aqui »