Sexta-feira, 5 Janeiro, 2018

SUPERSTAR & STAR Mastermind EP MLP

€ 16,50 MLP Porridge Bullet

[audio:http://www.flur.pt/mp3/PB019-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/PB019-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/PB019-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/PB019-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/PB019-5.mp3]

A singularidade de certos actores no mundo da música torna-os instantaneamente num assunto que liga todas as antenas. A parte instantânea é associada ao assunto, para o instantâneo existir é preciso assunto. E o assunto demora tempo a ser criado. Vamos recuar algum tempo e pensar que para alguns artistas começarem finalmente a ser admirados foi preciso existir assunto: Jandek, Moondog, Space Lady ou Doug Hream Blunt. Em alguns casos foi a consistência, o secretismo e uma base série de admiradores que criaram a vitória (Jandek), noutros a história de vida foi essencial para as reedições após a morte vencerem (Moondog) e há aqueles casos em que não sabemos se são figuras que realmente existem ou não (Doug Hream Blunt). Doug Hream Blunt existe, mas o confronto com o facto de não existir (porque parece tudo tão irreal) aproxima-nos da música. E do resultado. Superstar & Star estão no mesmo campeonato. Temos razões para acreditar que não existe (a música parece uma concepção perfeita de um Dean Blunt/Hype Williams ou de algum seu discípulo) e temos razões mais fortes para acreditar que existe. Tem um nome, Neville Lawrence, que é o Superstar, e há a sua mulher, Ann Lawrence, que é a Star, Neville já veio tocar à Europa (e é possível que faça uma digressão ainda este ano), há um documentário a ser feito sobre si, tem uma cara e um corpo que existem nos imensos vídeos que têm aparecido no YouTube ao longo da última década. E os seus vídeos chegaram a fazer parte de um certo culto de VHS. Graças a Tapes (que agora reside em Lisboa), o trabalho de Superstar & Star tem ganho outro público. E ainda bem. O que Neville faz na sua ingenuidade/ilusão/desilusão é uma magnífica destruição involuntária de vários conceitos. Em simultâneo. Há o crooner de rastos, um Stevie Wonder com um groove desamparado, uma Madonna despida de preconceitos, em loop desvairado, o produtor da nova-soul em busca dos beats mais maravilhados. Na sua capacidade lo-fi, Superstar faz isso tudo. E faz com uma mensagem de amor, com a luta de quem não tem nada a perder e de quem vive convencido de que por se chamar Superstar, é superstar. Só que é mesmo. Não no reino do fantástico, mas do real, onde do nada surge um relâmpago como este que acorda e liga as convenções mais disparatadas de forma a fazerem sentido. “Mastermind EP” apresenta um conjunto de hits seus já conhecidos, só que com uma boa masterização e num formato físico que confere aquela solidez de seriedade que Superstar precisa. Porque isto é bem a sério. Sabem aquele vazio cá dentro que estão a sentir neste momento? É porque vos falta Superstar & Star. Nós estamos curados há algumas semanas.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , / / Comentar: aqui »