Sexta-feira, 19 Abril, 2013

JENNY HVAL Innocence Is Kinky CD

€ 16,50 € 12,50 CD Rune Grammofon

[audio:http://www.flur.pt/mp3/RCD2142-1.mp3,http://www.flur.pt/mp3/RCD2142-2.mp3,http://www.flur.pt/mp3/RCD2142-3.mp3,http://www.flur.pt/mp3/RCD2142-4.mp3,http://www.flur.pt/mp3/RCD2142-5.mp3]

Quando soubemos no ano passado que o novo álbum de Jenny Hval iria ter a produção de John Parish ficámos contentes, mas algo preocupados com o resultado – a cantora elogiava o trabalho de Parish com PJ Harvey. O nosso problema foi supor que a norueguesa quisesse, enfim, ser uma PJ Harvey nórdica, coisa que na nossa cabeça parecia um tiro na água. Mas, pensando bem, sempre houve algo de carnal que pode ajudar a fazer o missing link, embora a sua voz seja demasiado frágil para suportar a necessária carga emocional. O trabalho de Parish foi de absoluto refinamento sonoro, ajudando a que o mundo acústico sobressaia mais que o mundo ligeiramente etéreo de “Viscera”. O título do álbum parece resumir uma vez mais o mundo narrativo de Jenny Hval – para além da música, Hval é também uma conhecida escritora na Noruega. Sexualidade e sensualidade nas palavras e, por vezes, também na música. Ouçam “Amphibious, Androgynous” para sentir uma canção perfeita: ingredientes mínimos e fatais, voz entre o sussurro rock e o canto da sereia, mini-épico irresistível e uma ideia de desert music que associamos a Parish. Talvez o melhor disco de Jenny Hval – o que faz acreditar que quando colocamos a fasquia alta, muitas vezes queremos ultrapassá-la.

NOTA: Artigo sempre sujeito a confirmação de stock e preço

PLEASE NOTE: Item always subject to stock and price confirmation

Artigos relacionados


/ / Etiquetas: , , , , / / Comentar: aqui »